o meu cesto
Carrinho encontra-se vazio de momento
Total
Angola não tem bazucas, não tem planos de resiliência e vive do petróleo 1
Angola não tem bazucas, não tem planos de resiliência e vive do petróleo 2
20 outubro 2021

Angola não tem bazucas, não tem planos de resiliência e vive do petróleo

No painel dedicado ao tema “O impacto da pandemia e o Plano da Vacinação para as empresas em Angola”, a Advocatus Summit Porto recebeu os sócios António Vicente Marques, managing partner da AVM Advogados, José Alves do Carmo, sócio da AVM.

 

A conversa sob o mote “O impacto da pandemia e o Plano da Vacinação para as empresas em Angola” começou com a intervenção de António Vicente Marques, sócio fundador da AVM, um escritório que começou em Angola. “O impacto foi grande em Angola e no tecido empresarial angolano”, disse. “Principalmente porque muitas empresas ficaram com grandes restrições com pessoal que não era residente permanente. Efeitos na mobilidade que se fazia de forma muito regular”. Desde há 12 anos que a AVM se instalou em Lisboa e no Porto.

 

O sócio responsável pelo escritório de Lisboa, José Alves do Carmo, começou por defender que “Angola reagiu primeiro do que países como Portugal. Logo em fevereiro de 2020 foram limitadas as viagens de alguns países”. E “tivemos alguma preocupação de alguns clientes. Houve algum pânico porque como qualquer área de negócio, é preciso estar presente”. Realçando o papel da AVM, “foram momentos desafiantes e muito trabalho”. O sócio de Lisboa sublinhou que a AVM – especializada essencialmente no setor empresarial petrolífero – teve muitas questões laborais a resolver dos seus clientes.

 

António Vicente Marques admitiu que “antecipamos medidas adotadas pela DGS” e que a preocupação da AVM foi também de criar uma “task force que sistematicamente ia acompanhando a legislação”. No que toca a questões laborais, o sócio admitiu que a AVM duplicou o espaço do escritório, estamos a contratar pessoas, não recorremos a nenhuma situação de lay off, não despedimos ninguém, não baixamos remunerações e ainda contratamos pessoas”.

 

No que toca às empresas angolanas, José Alves do Carmo disse que “Angola não tem bazucas, não tem planos de resiliência e vive do petróleo. Mas de todo o modo, as empresas foram-se adaptando”. Esta iniciativa é considerada o principal evento que liga a advocacia de negócios aos agentes empresariais e da economia e contou com o patrocínio de Abreu Advogados, PLMJ, AVM Advogados e PRA-Raposo, Sá Miranda & Associados. Contamos ainda com o patrocínio da Universidade Portucalense.

 

Texto FILIPA AMBRÓSIO DE SOUSA | Fotografia HUGO AMARAL | ADVOCATUS.PT

Partilhe este artigo nas redes sociais